terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Convívio no túnel

Convívio no túnel
por Maria Francisca Botelho

Nasci em Lisboa, mais concretamente em São Sebastião da Pedreira, mas foi na Bobadela e nos Olivais que cresci e é entre estes dois locais que divido a minha vida, atualmente. Para mim, os Olivais são um local bastante importante, pois lá está situado o café do meu avô e foi onde tive as minhas primeiras amizades. Lembro-me perfeitamente das minhas brincadeiras com a Ana, num túnel mesmo ao lado do café, onde fazíamos imensas atividades como jogar à bola ou andar de patins.
Nesse túnel, juntavam-se muitas pessoas, umas a jogar ao dominó e outras a assistir (era algo que se fazia todos os dias à tarde). Após o jogo, as pessoas levantavam-se das mesas que pertenciam ao estabelecimento e iam beber umas bebidas. Eram, sem dúvida alguma, momentos preciosos onde havia bastante interação, algo que, infelizmente, se foi perdendo. Passados estes oito anos, hoje, cada vez que vou para lá, ao fim de semana, já não “vejo” as pessoas em redor das mesas a rirem-se, a falar, a prestar atenção ao jogo. Umas morreram, outras estão em casa incapacitadas e outras mudaram-se.
Da Ana, já não se sabe nada.
É verdade, hoje o tempo mudou, pois as novas tecnologias provocaram uma profunda alteração na nossa sociedade.
Agora, quando estou sentada cá fora a olhar para o túnel, penso: - Queria voltar atrás no tempo, para os bons velhos dias, onde a convivência era algo predominante.